sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Figurinista Marilia Carneiro conta como vestiu Maysa



Está todo mundo de olho na minissérie "Maysa - Quando Fala o Coração", que rola diariamente desde segunda (05.01), logo depois da novela das oito, "A Favorita"; e segue até o dia 16 de janeiro.
A obra é de Manoel Carlos, dirigida pelo filho de Maysa, Jayme Monjardim, matriculado em um internato da Espanha aos sete anos, após a morte de seu pai, André Matarazzo. Diretor de "Pantanal", "Terra Nostra", "Roque Santeiro", Jayme só veio a conhecer a mãe aos 19 anos, um ano antes de sua morte.
"Foi uma sorte dele em encontrar uma atriz tão talentosa e tão parecida como sua mãe", elogia a figurinista Marilia Carneiro, que recriou o guarda-roupa de época da controversa cantora, sobre a estreante Larissa Maciel.
Na entrevista a seguir, Marilia fala de seu processo de pesquisa, da nova tecnologia de alta definição na televisão e de seus próximos projetos.


SITE EP - Como começou a pesquisa para o figurino de Maysa?
MARILIA CARNEIRO - A partir do enorme acervo que Jayme tinha em casa. Ele já havia feito um documentário sobre ela há 20 anos ["Simplesmente Maysa" (1979)], então estava munido de diários, fotos, filmes.... Fui tomando intimidade com Maysa, ela foi uma personagem fora do tempo dela. Sofreu muito, foi muito massacrada, não podia se expressar, cantar, nada do que ela queria. Tanto que rompeu com o marido pra seguir sua carreira.

SITE EP - E onde mais você pesquisou?
MARILIA - Os costureiros dos anos 1950, como YSL, Givenchy, Dior. Ela usa um tailleur da Chanel também. Nos capítulos ambientados nos anos 1970 ela usa túnicas, com botas ou rasteirinhas, que podem muito bem ser usadas hoje. Fiz uma seleção de 70 peças da H.Stern, entre colares de pérolas, jóias com brilhantes, cristais e pedras brasileiras. Eles têm um pequeno acervo de preciosidades. Já tinha usado alguns itens no filme "Villa-Lobos, Uma Vida de Paixão" (1997), tem coisas raríssimas dos anos 1950. Foi muito gostoso por conta disso. É muito bom usar jóias verdadeiras, fica melhor na tela.

SITE EP - Houve preocupação especial com a nova tecnologia da televisão em alta definição?
MARILIA - Com as novas tecnologias, há câmeras absurdas de definição. Mas minha formação é de cinema, então sempre tive enorme preocupação com o acabamento, porque tudo é ampliado. A televisão dava a impressão de que tudo dava certo, pois a tela é pequena. Hoje qualquer ponto mal dado, cor errada, bainha mal-feita, aparece bastante. As cores ficam vivas demais por enquanto, não sei se mais tarde vão melhorar isso, então quanto mais suave a cor melhor fica. Usei algumas cores mais ousadas nos shows de Maysa, em episódios que ainda não foram pro ar, para dar um contraste maior de sua vida nos palcos.

SITE EP - Usou muitas peças da própria Maysa?
MARILIA - Usei uma roupa só, que foi a única a que tive acesso. Uma túnica marroquina bordada a ouro vai aparecer ainda na minissérie, usada com brincos de ouro e turmalinas rosas. É na volta dela da Europa, quando canta no Canecão. O vestido de noiva existe ainda, mas não tive acesso. Usei filmagens e o álbum de casamento para reproduzi-lo.

SITE EP - Você se manteve muito fiel ao guarda-roupa original?
MARILIA - Usar somente as roupas dela não teria graça, é muito difícil trabalhar assim. É um passado muito recente, então queria recriar seu figurino para dar uma idéia exata da época. Fui testemunha ocular de toda a época da Maysa. Ela engordava muito, oscilava de peso. Fizemos também um maiô de espuma pra usar por debaixo da roupa, pra aumentar o manequim de 38 pra 44.

SITE EP - O que acha da atriz Larissa Maciel?
MARILIA - Ela é um prêmio, uma maravilha. É seu primeiro trabalho grande, de fôlego. É extraordinariamente dedicada. Tem formação de teatro, então trabalha bem o corpo, entonação da voz... O timing para dublar a Maysa é fantástico _ela pôs sua alma no personagem. É uma sorte encontrar alguém tão talentoso e tão parecido. Não consigo pensar em outra pessoa interpretando Maysa.

SITE EP - Quais são seus próximos projetos para 2009?
MARILIA - Estou trabalhando no figurino da próxima novela das sete, "Caras e Bocas", de Walcyr Carrasco, que substitui "Três Irmãs". É uma história leve e atual, que vai lançar moda. Mas este ano quero uma vida mais mansa.


Fonte: site EP